sábado, 21 de novembro de 2009

Dia de chuva
















Cai a chuva no silêncio
Como canção de embalar
Fecho os olhos e adormeço
Ficando em meu sonhar

Um sonho calmo e limpo
Onde o céu abraça a terra
O sol brinca as escondidas
E a água alimenta a serra

Tudo é pleno e grandioso
Alegre, divertido e sereno
Mas é apenas um sonho
Um sonho nada pequeno

E a chuva vai batendo
Na vidraça sem cessar
Acordo bem de mansinho
Sentindo o sonho acabar!

sábado, 14 de novembro de 2009

Sou...















Sou como a lua
Nas noites de Verão
Amante do sol
Que aquece o chão

Sou como o mar
Em dia de Inverno
Amante do rio
E do beijo terno

Sou como a chuva
Nas manhãs Outonais
Amante do céu
Limpo de cristais

Sou cor e cheiro
De Primavera
Amo o pôr-do-sol
Se não for quimera

Céci

domingo, 8 de novembro de 2009

Vida Vazia...











Foto de Mª Eugênia M. Guimarães


Já foi criança
E teve sonhos
Brincou livre
E com esperança

Hoje é realidade
Perdeu seus sonhos
Vive na marginalidade

Na beira da estrada
Vestida de luz
É usada por todos
A quem ela seduz

Vende o seu corpo
De vida humilhada
Coração sofrido
E alma gelada

Já não lembra o amor
Carente de afecto
Optou ou a vida a levou
A este triste trajecto

Mas Já foi criança
E teve sonhos…

Céci

domingo, 1 de novembro de 2009

Velhice/Dor




















Os nossos velhinhos
Deixaram de sorrir
Acabam num lar
Sem ninguém os ouvir

Lutaram pelos seus filhos
Muitos, bem sucedidos
Que não querem saber
Se estão mortos ou vivos

Caem pela cara abaixo
Lágrimas de saudade
Dos tempos de outrora
Que tinham menos idade

Idade em que produziam
E que todos os dias lutavam
Pelos filhos que ainda amam
E que hoje os abandonaram

Sentem,-se trapos velhos
Amarrotados pelo tempo
Atirados para um canto
Sem terem nenhum alento

Vivem amargurados
Pela triste realidade
Sentindo-se esquecidos
Pela família e sociedade

Não esqueçamos a frase
Que tem também muita idade
Filho és pai serás...
Esta é uma grande verdade!

Céci