segunda-feira, 22 de setembro de 2014

PAZ



Eu quero Paz,
O Mundo quer estar em Paz,
A guerra não nos satisfaz!

Enquanto se fabricam armas
E se treinam homens para matar,
A Paz será uma Utopia
Que jamais poderemos desfrutar!

Formam-se exércitos,
Ensinam-se crianças a lutar,
Dando-lhes armas para as mãos,
E incentivando-as a odiar!

A Guerra não terá fim,
Enquanto o amor não proliferar,
A ganância e a busca pelo poder,
Vai com o Homem acabar!

Podemos começar  com Amor,
Amando toda e qualquer criança,
Ensinando-as a espalhar o bem
Com toda a perseverança!

E a nossa guerra diária,
Pode também ser vencida
Estando bem connosco próprios
Teremos sempre Paz na vida!

Cecília Macedo

(22/09/14)

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Na minha Terra



Na minha terra,
Tem rio e mar,
Pontes e barcos,
E gaivotas a voar!

Na minha terra,
Tem edifícios enormes,
Que aos poucos substituem
Os grandes espaços verdes!

Na minha terra,
Mudaram estatuas,
Acabaram com jardins,
E as calçadas portuguesas
Dão lugar a granito escuro!

Na minha terra,
Não se aposta em profissões,
Em conservação de edifícios,
Nem em manter as ruas limpas!

Na minha terra,
Ainda há muita gente a viver,
Em casas degradadas e que
Não têm  saneamento!

Na minha terra,
A população envelhece,
Há cada vez mais desempregados,
E os jovens com cursos superiores,
São obrigados a emigrar!

Na minha terra
Há bairros problemáticos,
Onde as crianças andam na rua,
E faltam à escola!

NA minha terra...

Na minha terra,
Tem rio e mar,
Pontes e barcos,
E gaivotas a voar!

Cecília Macedo
16/09/14



segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Hoje quero estar só!




Hoje quero estar só.
No tempo, nas palavras e no espaço,
Esconder-me em folhas de papel,
Sentir nas letras um doce abraço!

Como é bom este sentir,
No silêncio da escrita,
Que se transforma em melodia
E faz de mim uma eremita!

Fujo das confusões,
Das palavras falsas e vãs,
Preciso só de silêncio.
E ficar na minha  Paz!

E nesta calma que me apraz
Vou ficar bem escondida
Escrever  ou poetar
Com uma vontade incontida!

Por isso,
Só quero estar só,
Sem deixar de ter a companhia
Do papel e dos meus pensamentos
Que tornam o meu dia Poesia!

Cecília Macedo

15/09/14

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

No meu Sonho!



No meu Sonho!

No meu sonho entrava o mar,
E no mar havia um navio,
No navio um marinheiro,
Que me ajudou a embarcar!

No meu sonho entrava o mar,
E no mar havia um peixe
E o peixe ensinava o caminho
Par onde eu deveria navegar!

No meu sonho entrava o mar,
E ao longe um farol  a brilhar
Que me dava sinais de luz
Para o caminho não errar!

No meu sonho entrava o mar,
E um pôr do sol  fascinante
Que me confortava a alma
De instante a instante!

No meu sonho entrava o mar,
E a Lua ao anoitecer
Vinha com seu manto Dourado,
Só para me adormecer!

No meu sonho entrava o mar,
O navio, o marinheiro e o farol,
No meu sonho entrava o mar,
O peixe, a lua e o por do sol!

Cecília Macedo
Setembro 2014

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Escrevinho...



Hoje na preguiça, eu escrevinho,
Não é poesia, é só o que eu sinto,

Vou ouvir o silêncio,
Dar asas à imaginação,
E de olhos fechados,
Vou prestar atenção!

Enquanto o Sol tímido me aquece,
Num abraço terno e gigante,
Eu sonho estando acordada,
E adormeço por um instante!

E logo vou esperar pela noite,
E para mim será dia.
A Lua nova vai estar cheia,
E sentirei sua magia!

Isto não é um poema,
Porque eu não sou poeta,
Eu apenas escrevinho!
O que sinto com a caneta!

Cecília Macedo

Setembro 2014