terça-feira, 28 de abril de 2009

O tempo....



















Há coisas que o tempo não apaga
E o vento forte não as leva

Há palavras proferidas
Que jamais são esquecidas

Há momentos inesquecíveis
Que teimamos em recordar

Há pessoas simplesmente
Que da mente queremos riscar

Se o tempo voltasse atrás
Eu sei bem o que faria!
Em vez de esperar flores
No meu jardim as colheria!

Liar

10 comentários:

Bellatrix disse...

Gostei muito de seu poema. Posso colocá-lo em meu blog?
http://bellatrix-eternity.blogspot.com/
Tem a ver com o tempo, eternidade, enfim... Coloco sua autoria e blog, tá! Valeu!

Liar disse...

Olá Bellatrix,

Obrigada pelo comentário, e sim podes publicar no teu blogue.

Bjinho
Céci

Agulheta disse...

Querida amiga. Nada melhor que o tempo para dar respostas! palavras plenas e sentidas aqui.
Beijinho no olhar.

Lisa

Xana disse...

O tempo não volta atras menina , mas ainda temos tempo para coisas que nunca imaginariamos fazer, aproveitemos este tempo tão infimo amiga!
beijinhos

Fernando Lisboa disse...

O passado fugiu, o que esperas está ausente, mas o presente é teu. (Provérbio árabe)

Bj

F.

utopia das palavras disse...

Aprende-se...com o tempo, amiga!

O tempo, faz-nos!

E o teu poema é o tempo em movimento!

Beijinho

Bellatrix disse...

Obrigada, Céci. Parabéns pelo talento! Beijos!

Bellatrix disse...

Obrigada pelo carinho, querida. Abraços! :)

Aqua Vitae disse...

Olá!
Acho muito bem escrito... diria gritado este teu poema...
Contudo... gostaria de dar meu simples comentário...
Não concordo, neste caso, com algumas elações e também com o Provérbio Árabe do amigo Fernando, pricipalmente no que concerne ao passado... embora concorde na parte futurista... pois o passado não foge...
Lendo as entrelinhas há uma dualidade reciproca... como se trata-se de uma elação tua de duas lâminas... um protagonista e uma vítima...
Há sentimentos a preservar e a respeitar... não a deturpar... sem se dar exemplo!
Beijinho
Vítor

Ana disse...

Olá kida Liar!
"o prometido é devido" e cá estou eu, a tua amiga Guga depois de ter saído daqui com um tempo quentinho vai lá encontrar ainda mais calor e regressa com um tempinho "tristinho" em Aveiro. Hoje nem se fala, está mesmo "um tempinho do Senhor" (como é costume dizer-se), só se abrir para a tarde, porque chove muito neste momento.
O tempo dito por ti neste magnífico poema, deu-me tempo de pensar em tudo o que escreveste e agradeço o tempo desde que te conheci, o tempo que me tem feito muito feliz com a tua amizade, e o tempo que não quero deixar de ser tua amiga para sempre.
Um grande beijinho e um xi pertadinho que demore muito tempo,
Guga