quinta-feira, 16 de julho de 2009

Soltar Amarras...


O barco ancorado no cais
Ao qual soltaram amarras
Seguiu do rio para o mar
Passando todas as barras

Contra ventos e marés
Chuvas e tempestades
Venceu com muita força
Todas as adversidades

Passou noites de luar
Dias de sol radiante
Encontrou um porto seguro
Num sitio mesmo distante

E nas ondas do mar azul
Ele só quer balançar
Sente-se livre e feliz
Podendo agora navegar!

Céci

15 comentários:

Ana disse...

Kida Céci ouvi o som do mar ao entrar aqui, e comecei a ler este maravilhoso poema, senti-me um pouco como este barco que só quer navegar e lutar nesta luta a que chamo "VIDA", contra as adversidades que vão aparecendo na rota que não sei, nem quero saber, onde acaba.
Adorei! Sem dúvida alguma que esta "garota" linda, é a minha poetisa favorita.:-)
Um xi bem apertadinho,
Guga:-)

E fico sempre a Guga?:-) será que a Guida não se irá zangar um dia?:-)

Mais jinhosssssssssss

Agulheta disse...

Céci! E não é que deu vontade de um banho com este som de mar!depois estendida na areia branca ler um belo poema de amor,com amarras de preferênica,bem doce.
Querida adorei,tudo que fala de mar é belo.
Beijinho amigo

utopia das palavras disse...

Solto amarras
sempre que um dia amanhece...!

Poema com corpo, robusto, com vontade de se fazer ao mar!

Bonito!

Beijinhos

Pedro Branco disse...

Cada viagem em nós é um rio no tempo. Feito corrente em sangue e desejo. Feito perdição, dor e andaime. Cada viagem solta-nos a alma e o corpo. Carregado dos aromas da paixão e da solidão e da perdição e da imansidão e da canção que de tanto ser nossa se dilui no sabor de todos os ventos e marés. Cada viagem feita em nós. Onde os passos não são mais do que o nosso olhar...

RETIRO do ÉDEN disse...

Querida Céci,

A inspiração chegou e arrasou!

Lindas palavras...tanto sentimento...tanta verdade...tantas amarras...só quero é mesmo um porto seguro...JESUS...sem qualquer interferência negativa...
Estava mesmo a precisar destas frases...

Bem-hajas amiga, que Deus te abençoe e alimente sempre esse teu talento que vais partilhando connosco.

Excelente fim-de-semana,

Bjs. com mui carinho te envio.
Mer

Abstrata disse...

''Encontrou um porto seguro
Num sitio mesmo distante''

amei ler ...lindo seu poema Céci

ótimo fim de semana num porto bem seguro

beijosss

Céu Vieira disse...

Querida Céci, que maravilhoso poema ao som do mar... fez-me lembrar um hino que cantamos na minha Igreja que diz:
I
Oh! Porque duvidar,
sobre as ondas do mar,
Quando Cristo o caminho abriu?
Quando forçado és,
Contras as ondas lutar,
Seu amor a ti quer revelar.

CORO
Solta o cabo da nau,
Toma os remos na mão,
E navega com fé em Jesus;
E, então, tu verás que bonança se faz
Pois com Ele seguro serás.

II
Trevas vêm te assustar,
Tempestades no mar?
Da montanha o Mestre te vê;
E na tribulação
Ele vem socorrer,
Sua mão bem te pode suster.

CORO

III
Podes tu recordar,
Maravilhas sem par?
No deserto o povo fartou;
E o mesmo poder
Ele sempre terá,
Pois não muda e não falhará.
CORO

IV
Quando pedes mais fé,
Ele ouve, ó crê!
Mesmo sendo em tribulação:
Quando a mão de poder
O teu "ego" tirar,
Sobre as ondas poderás andar.

Desculpe este missal, mas eu gosto muito deste hino, só a música é que não dá para lhe ensinar!... Paciência... eheheh

Beijinhos grandes amiguinha
Tenha uma tarde de paz

Vieira Calado disse...

Nada mais livre que um barco!

Bjs

Multiolhares disse...

è preciso sabermos navegar,para quando não içarmos a vela, mesmo assim chegar a porto seguro
beijinhos

RETIRO do ÉDEN disse...

Querida Céci,

Passo para reler o teu lindo poema...para ouvir o mar...

Sabes que se atravessar a Mata de Monsanto...tendo o Tejo logo,logo alí...mas tenho de atravessar a Mata...
É como a vida...para se conseguir algo de bom e belo temos de atravessar...atravessar...até o Senhor dizer basta!
Desejo-te uma excelente semana.
Bjs.
Mer

poetaeusou . . . disse...

*
belo post, Céci,
grato fico com aartilha.
,
navega barco ardente
mostra o teu rumar forte
segue a rota do norte
vogando nas asas do vento
alivia o meu tormento
por ter ficado no cais
não, não escutes meus ais,
eu na ausência, estou presente,
,
navegadas conchinhas, deixo,
,
*

Vieira Calado disse...

Caríssima!

Eu visito o seu blog, como visito outros, sempre com gosto.
A questão da "qualidade" é outra coisa:
Não é mim, é aos "críticos",
que compete julgar.
Pela minha parte, sempre aconselho as pessoas a escrever, ou pintar, ou fazer cerâmica, independentemente de juízos de valor.
Todos têm o direito de se exprimir e fazem muito bem, se assim julgarem.

Têm sempre o meu apoio.

Apareça quando o vento a trouxer por aqui,
e não se preocupe em ser "crítico".

A sua presença é sempre, para mim, reconfortante.

Bem Haja!

Canduxa disse...

Olá Céci,

Parece que amamos o mar com a mesma intensidade.
O teu poema é lindo e o teu barco aprendeu a navegar em liberdade, porque nada o derruba.
É maravilhoso quando se tem consciência da nossa força.
Beijo cheio de luz

Agulheta disse...

Olá Céci. Neste teu barco quero navegar num sonho bom,cheio de esperança e pedir um mundo melhor em todos os sentidos,obrigada pelas palavras,aqui estou como a Fenix renascida das cinzas do mal?
Beijinho no teu coração

Aqua Vitae disse...

A brisa matinal e os gritos secos das gaivotas dizem-me que estou perto. Oiço os murmúrios dos pescadores, das mulheres, uma das embarcações não voltou...
Beijinhos